Clube da Esquina nº 2 – Flávio Venturini

Olá meus amores e amoras!!!!

Estamos no início de um novo ano, e sempre que um ano se inicia criamos novas expectativas e vários sonhos voltam a ser sonhados pois é uma nova oportunidade para serem realizados. E isso se dá porque os “sonhos não envelhecem”. E é por isso que hoje resolvi falar sobre um clássico da música brasileira, na verdade uma linda poesia cantada, intitulada Clube da Esquina nº 2.

Música gravada em 1972 por Milton Nascimento para o álbum Clube da Esquina, album tão importante para época este, por  conter a participação de vários músicos brasileiros que na época formavam um movimento musical que continha o mesmo nome do disco, liderado pelos cantores Milton Nascimento e Lô Borges. A música foi escrita por Milton Nascimento, Lô Borges e Márcio Borges.

A gravação original de Clube da Esquina nº 2 não incluía letra, mas apenas melodia. Milton gravou sozinho uma versão instrumental com seu violão no estúdio que continha alguns sussurros juntos à melodia. Na mixagem final, foram acrescentados arranjos feitos por outros músicos. Os versos para a canção vieram alguns anos depois e foram compostos por Márcio Borges – a pedido de Nana Caymmi, que lançou a regravação para o seu disco “Nana Caymmi”, de 1979. O próprio Lô Borges regravou a versão, acrescida dos versos de Mário Borges, seu irmão, no álbum “A Via Láctea”, de 1979, assim como Milton Nascimento fez no álbum “Angelus” de 1993. Após isso houve outras regravações como a de Flávio Venturini em 1994, Leo Gandelman em 1996 e Vânia Bastos em 2002.

Tem um arranjo de perder o fôlego e uma letra que mexe com os sentimentos. A versão que mais me agrada é a da Flavio Venturini e é essa que vamos ouvir abaixo.

Você conhecia essa música? Deixe seu comentário abaixo sobre esse clássico ;)

Música: Clube da Esquina nº 2
Artista: Flavio Venturini
Compositores:
Milton Nascimento, Lo Borges e Márcio Borges
Lançamento: 1972JosyAssinatura

 

 

4 ideias sobre “Clube da Esquina nº 2 – Flávio Venturini

  1. Nunca tinha ouvido falar desta música original de Milton Nascimento, ainda mais que era apenas harmonia original. Algumas não precisam de vocal, sou suspeito pra fala por ser fã de vários instrumentais (Bill Conti, Ludovico Einaudi, Enio Morricone). Até ouvi a original =, linda. Mas esta versão que postou só resume o que és, a palavra meiga em pessoa. Música maravilhosa, remete tranquilidade, paz! Excelente playlist de canto assim como usuário de cima comentou. Phil Collins é bom demais porém prefiro ele na antiga banda (Genesys).

    • Obrigada pelo comentário Felipe.
      Essa música sempre me passou muita paz ao ouví-la. Um verdadeiro clássico da música brasileira na minha opinião. Por isso resolvi escrever sobre ela, pois além de tudo ela tem uma história toda por traz da sua criação.
      Que bom que gostou. Fico feliz!!!
      Beijosss

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *