• Livro

    Elas por Ele

    Olá amores e amoras, tudo bem com vocês? Espero que sim.

    Lembrem sempre que:

    Nós devemos nos amar. Vós, amais a quem? – Poema: Conjugação Nominal

    Resenha:

    “Elas. Marias. Catarinas. Alices. Não importa com quais nomes foram presenteadas nas auroras de suas vidas, pois suas existências são dignas de toda a afeição possível. Ele, o amor, em suas diversas formas. Encanto, carinho, entusiasmo, chamas. Todos os sentimentos e sensações lhes competem, mas nem todas lhes completam. Seres magníficos descritos aos olhos da inspiração em suas singulares realidades, através dos mais verdadeiros impactos nascidos no mais íntimo da alma. A cada poema a vocês declamado, uma nova forma de vida nasce nos corações, sem importar quais as suas conceituações. Seja você, Bruna, Fernanda ou Gabriela, todo o amor do mundo está aqui desposto unicamente para elas.

    Encontre-se.”

    “As pessoas precisam saber que relações terminam, sentimentos abrandam e também explodem, mas o amor, este está acima de tudo isso.” – Marcos A. Junior

    Visão da Blogueira: Um livro de fácil leitura, com poemas sensíveis e outros nem tão sensíveis assim. Poemas cheios de sentimentos e desejos. Voltado para o público feminino, mas com certeza pode ser lido pelo público masculino sem problema nenhum, acredito que tanto homens quanto mulheres encontrarão nesses poemas relatos que lhe descrevam perfeitamente, assim como eu encontrei.

    E dentre tantos peitos vazios, você foi o mais recíproco sentir. – Poema: Interdependência.

     

  • Música

    Enquanto Cê Não Vem – Eu, Trovador e Onze:20

    Olá meus amores e minhas amoras. Espero que esteja tudo bem com vocês apesar de todo esse momentos que todos estamos passando.

    Esses dias, onde as notícias nem sempre são as melhores e tudo que ouvimos são coisas sobre isolamento social e vacina, para nos livrar desse vírus que tem nos trazido tantas percas, procurei algum lançamento de música que me fizesse sentir bem nesse momento. E de repente, me deparo com uma obra prima dessas, uma música tão linda e com uma letra que na sua simplicidade me fez sentir bem o que eu queria. Que apesar da distância,  apesar de todo isolamento, sempre há amor, sempre há saudade, sempre há aquele friozinho na barriga quando chega uma mensagem da pessoa que amamos. O amor não tem barreiras e nem distância. E isso é lindo.

    Enquanto Cê Não Vem, gravada pela banda Eu, Trovador  com participação de Onze:20, é uma composição de Guga, vocalista da banda em parceria com Clara Valverde, e já está disponível em todas as plataformas digitais.

    “A nossa espinha dorsal é a música romântica, que fala de amor, choro, dor de cotovelo, emoção. Os refrões são rasgados e poéticos, assim como as paixões são nas nossas vidas. Estar apaixonado é um clichê, mas é um clichê maravilhoso”, diz Guga.

  • Livro

    Marcos A. Junior

    Olá Amores e Amoras tudo bem com vocês? Preparados (as) para conhecer um pouco mais da história de um super autor nacional?

    Hoje viemos aqui falar de Marcos A. Junior que, humildemente, nos concedeu uma entrevista, na qual podemos saber mais sobre sua vida e quem é essa pessoa tão gentil. Autor das obras “Herbert Flinch”,  “O Livro do Amor: Entre a Razão e a Emoção” e “Cem Dias na Prisão”, Marcos A. Junior, natural de Recife, Capital Pernambucana, é um escritor cheio de qualidades e provido de uma intelectualidade incrível. Com narrativas muito inteligentes, vem conquistando um grande público através de suas obras e seu carisma para com seus leitores, sempre muito atencioso e disposto a estar em contato com seus seguidores através das redes sociais.

    Para satisfazer a curiosidade de vocês, fizemos algumas perguntas às quais ele nos respondeu com total atenção. Querem conhecê-lo melhor? Então, vamos lá.

    Quem é Marcos A. Junior, fale um pouco sobre você… Queremos conhecê-lo.

    Resposta Marcos: Me chamo Marcos Antônio Júnior. Sou natural de Recife, capital pernambucana. Já tentei fugir, indiretamente, por incompreensão, do rumo da arte durante toda a minha juventude. Conclui os cursos de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Administração, o que me fez ter uma evolução mental gigantesca, mas, observando de um ponto de vista alheio acerca da vida, não me “completou”. Desde muito cedo eu tive aptidão para desenho (na infância) e, durante toda a adolescência e início de juventude – por todo o bombardeio habitual à linha de raciocínio existencial limitada e pré-programada (nascer, crescer, reproduzir e morrer) – para escrever, descrever sentimentos próprios e de terceiros. Ao sentir insatisfação após concluir um segundo curso e ainda assim não “me achar”, incentivado por um amor atravessado pela vida e observando um cenário econômico decadente, resolvi por acreditar em minhas próprias forças e adentrar em um ramo que, apesar do conhecimento de todas as dificuldades atreladas (e são muitas), ao menos me trazia prazer em estar vivo, principalmente pelo fato de “facilitar”, mesmo que a percepção não seja tão profunda quanto a própria, a vida dos demais. A partir daí, em muitas reviravoltas, principalmente mentais, nasceu este que vos escreve.

    Quando você começa a escrever um novo livro, já têm a história toda – início, meio e fim – ou apenas deixa sua imaginação fluir à medida que coloca as palavras no papel?

    Resposta Marcos: Acredito que o processo produtivo de cada um seja distinto, pela particularidade de cada universo. Dos doze livros que tenho escrito, distribuídos em diversos gêneros distintos, por gostar de me desafiar a ser melhor em tudo o que faço, o método de concepção foi específico para cada um deles. O meu primeiro livro, publicado no ano de 2016, uma ficção romântica, redigi o bruto da história em um mês. A partir deste momento, quando “concluído” o grosso do produto, é que nascem as especificidades. A linha de raciocínio segue o natural – começo, meio e fim – mas não há uma regra para tal procedimento. Vou construindo um “organograma” mental, com algumas características “pré-definidas”, devido à observação em relação ao comportamento humano, pois é isto que prezo em minhas obras. Por mais que sejam eus líricos, ainda assim, são constituídos de humanidade (exceto em casos de fantasia fantástica, onde há uma liberdade criativa sobrenatural). Portanto, quando começo a escrever, tento seguir uma aproximação à realidade, mas de uma forma que não deixe o texto cansativo ou previsível. Cada personagem tem a sua particularidade e é isto que faz com que tornem-se marcantes por admiração, identificação ou repulsa, para cada leitor. Em casos como o do meu mais novo trabalho, um retrato de poesia direcionado às mulheres, vi a obra nascer a cada memória que tive espalhada pelo tempo, sem ter conhecimento de quanto tempo foi realmente demandado para produzi-lo.

     Conte-nos um pouco de sua trajetória como escritor?

    Resposta Marcos: Minha trajetória como escritor começou, acredito eu, muito antes da formalização de uma obra escrita, como citado acima, no ano de 2016. Ainda muito cedo, quando vivente de um dos primeiros amores e decepções, resolvi pôr aquilo tudo o que sentia para fora, em um livreto de algumas páginas. A partir desta situação, sempre tive a facilidade de descrever o que experimentava em peito. Ainda na adolescência participei de um grupo musical de garagem, em que tive a experiência de escrever letras de músicas (as quais foram perdidas devido ao falecimento do computador). Tal erupção sentimental me foi contínua, até o momento em que finalmente escolhi seguir tal dom (ao menos é o que dizem). Então, como citado na primeira pergunta desta entrevista, acabei confiando no destino que a mim foi “programado” e decidido. Desde então, tenho quatro livros publicados e doze escritos, aguardando apenas o tempo para serem materializados.

  • Música

    Black or White – Michael Jackson

    Olá meus amores e minhas amoras.

    Hoje, acompanhando o movimento antirracista feito por pessoas do mundo todo em suas redes sociais denominado Blackout Tuesday, a primeira música que me veio a mente foi Black or White do Mickel Jackson.

    Blackout Tuesday se trata de uma iniciativa que convida as pessoas a postarem uma foto de cor preta em suas redes sociais com a hashtag #blackouttuesday, como uma forma de protesto e reflexão em respeito às vidas de pessoas negras perdidas. A ideia é provocar um apagão nas redes sociais para que as pessoas se voltem para um tema tão importante e urgente. O movimento antirracismo ganhou destaque na última semana após o assassinato de George Floyd durante uma ação policial nos Estados Unidos. O homem negro foi morto no dia 25 após ser mobilizado por um policial Branco.
    Fonte: https://www.techtudo.com.br

    É triste dizer que o racismo é um dos maiores problemas que ainda hoje enfrentamos em nossa sociedade. Em um mundo tão atual, com problemas tão sérios, o tom de pele ainda é motivo para discriminações. É sobre uma igualdade independente do tom de pele que Black or White quis tratar.

    “Se só existe um tipo de gente, por que as pessoas não se entendem? Se são todos iguais, por que se esforçam para desprezar uns aos outros?” Livro: O Sol é Para Todos, de Harper Lee

  • Inspirações

    Projeto: O Livro Viajante II

    Olá amores e amoras, como vocês estão?

    Espero mesmo que estejam muito bem, apesar é claro, da fase que estamos passando. Mas com certeza podemos encontrar uma forma de tirar o melhor de tudo isso.

    Bom, vamos ao assunto de hoje?

    Acredito que estejam lembrados do projeto Livro Viajante do qual participei e trouxe um pouco sobre o assunto para vocês. Certo?

    Se não se lembram, podem conferir no nosso post Projeto: O Livro Viajante. Pois bem, agora volto aqui para mostrar a vocês o resultado deste projeto no livro indicado por mim.

    Por Lugares Incríveis – Jennifer Liven, este foi o livro que indiquei para o projeto e não há como falar sobre este livro sem falar a influência que o mesmo causou e ainda causa sobre mim.

    Você foi, sob todos os aspectos, tudo o que alguém poderia ser… Se existisse alguém capaz de me salvar, seria você.

    Posso dizer, sem sobra de dúvidas, que essa leitura é uma das leituras da vida. Amei este livro desde o momento em que o mesmo foi indicado por uma amiga muito querida, a Daly, por ela ser muito especial e sempre ter as melhores indicações, já amei este livro, mas quando o li pela primeira vez, achei esta leitura maravilhosamente devastadora, isso mesmo que você leu, “maravilhosamente DEVASTADORA”. Quando terminei esta leitura me senti completa e totalmente destruída ao mesmo tempo.

    Acredito que este livro foi um divisor de águas…

    …dentro das minhas preferências de leitura, pois após ele fiquei muito mais impulsionada a ler livros com assuntos que são tão reais em nossa sociedade e que não recebem a devida atenção. Mas, vou deixar esse tema para quando a resenha deste livro sair, pois a leitura foi tão devastadora, que ainda não consegui finalizar essa resenha de forma a mostrar tudo de maravilhoso que este livro pode nos trazer.

    “[…] e Deus sabe o quanto esperei pra ser o tipo de cara que se quer por perto.”

    Foi por esses motivos citados acima e outros, que vocês saberão durante a resenha, que este foi o meu livro indicado para o projeto do livro viajante. E agora, quero mostrar a vocês a beleza deste projeto tão lindo do qual participei.

  • Inspirações,  Música

    A Pandemia e Nós

    Olá meus amores, faz tempo que não nos falamos por aqui. Muitas coisas se passaram nesses três meses. Muitas coisas aconteceram com a gente e com o mundo.
    Sei que já estamos cansados de ouvir falar em Covid-19, mas não tem como vir aqui e fazer postagens sem antes falar disso, até porque não falar é a mesma coisa que fugir da realidade.

    O mundo mudou, as pessoas mudaram. O ano mal começou e de repente ninguém mais tinha controle sobre o que decidir para o futuro, todos fomos levados a mudar os planos, os objetivos, a mudar nossas vidas. Crianças tendo aulas sem ao menos ir para a escola, estádios de futebol sendo transformados em hospitais, a higiene sendo tratada com a maior importância e nossa casa já não é apenas nosso refúgio, agora é o único lugar em que podemos nos sentir seguros.

    Nesses últimos meses tudo meio que virou de cabeça para baixo, os abraços e beijos não podem mais ser dados, os rostos todos mascarados, os shows são vistos direto das nossas casas, programas de TV totalmente diferentes, as leituras estão sendo colocadas em dia, cultos religiosos sendo transmitidos por redes sociais, muitos estão trabalhando de casa, ou então estão trabalhando menos, ou até mesmo sem trabalho. Outros nos dizendo adeus.

    São tempos muito difíceis, não dá pra negar. Mas também estamos descobrindo o quão fortes somos e como podemos lidar com as mudanças e adversidades da vida, e cá pra nós, essa foi uma das maiores adversidades que já vivemos. Digo vivemos pois estamos todos juntos nessa, não importa a religião, etnia ou classe social, estamos todos passando pelos mesmos problemas, mesmos medos, mesmas incertezas, todos unidos na mesma fé de que tudo isso vai passar.

    Vejo muitas notícias tristes, números assustadores, porém vejo muita mensagem de otimismo, pessoas levando alegria e mensagens positivas para todos.
    “Vai passar!” Essa é a mensagem que mais ouço e me apego. Não adianta nos desesperarmos, mas não podemos negligenciar os fatos. Então o que nos resta é nos cuidar, cuidar dos nossos. Devemos seguir as recomendações da OMS sem reclamar, pois é o melhor pra todos. Deixem as brigas políticas de lado, ela não cura a doença.

  • Inspirações,  Livro

    Projeto: O Livro Viajante

    Olá amores e amoras, como estão vocês?

    Vou começar este post incrível com uma pergunta bem sugestiva:

    O que inspira vocês?

    …Viva a vida intensamente e seja sua própria inspiração…

    Bom, depois desta frase linda, vou começar o nosso post…vamos lá?

    Hoje vou falar de algo que entrou em minha vida a pouco tempo, através de uma amiga, e tem me inspirado muito. O projeto chamado O Livro Viajante.

    Vocês já ouviram falar?

    Acreditem se quiser, mas eu nunca tinha ouvido falar de um projeto assim. Quem me apresentou este projeto foi a Daly, dona do IG literário Daly’s Read (vale a pena conferir, ela expõe ótimas resenhas e além do mais escreve incrivelmente bem).

    Se você, assim como eu, nunca ouviu falar, você deve estar se perguntando? Mas o que é esse tal Livro Viajante?

    Simples, trata-se de um projeto onde duas ou mais pessoas se juntam para fazer a leitura de determinado livro. Mas, espera? Seria uma leitura conjunta? Ai que está, não. Cada pessoa disponibiliza um livro, de sua estante, para leitura dos demais participantes do projeto, o lindo disso é que cada pessoa que ler, deve deixar suas impressões junto com o livro para que a próxima pessoa tenha o prazer de ler este livro com a adição dessas impressões.

    ..riscar meus livros..? nãoooooooo…

    Sei muito bem que há pessoas que acham um despautério riscar ou marcar um livro seja da forma que for, eu já fui assim.

  • Livro

    O Menestrel – William Shakespeare

    Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se. E que companhia nem sempre significa segurança. Começa a aprender que beijos não são contratos e que presentes não são promessas.
    Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
    Aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
    Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
    E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
    Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la…
    E que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
    E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
    E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
    Aprende que não temos de mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam…
    Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa… por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.
    Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
    Aprende que não importa onde já chegou, mas para onde está indo… mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve.
    Aprende que, ou você controla seus atos, ou eles o controlarão… e que ser flexível não significa ser fraco, ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem, pelo menos, dois lados. Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências. Aprende que paciência requer muita prática.

  • Livro

    Paz Interior – Fiduma e Jeca (Part. Gustavo Mioto)

    Quem nunca quis sair da rotina das cidades grandes, redes sociais e tecnologia? Quem nunca quis ficar um tempo na tranquilidade do interior onde ouvimos os pássaros e observamos, à noite, os vagalumes?
    São coisas simples e gostosas que nos relaxam e nos fazem perceber que a beleza e a felicidade estão nas pequenas coisas da vida e no contato pessoal e não apenas o contato por redes sociais.
    É essa mensagem que nossa música de hoje vem nos passar.

    “Vamos largar a mão dessa selva de pedra
    Tirar o sapato, pisar descalço na terra e sentir o ar
    Ver os vagalumes brilhar
    Ficar em off paz interior
    Que a gente ganha a guerra”

    Paz Interior foi gravada por Fiduma e Jeca e com a participação de Gustavo Mioto, tendo seu vídeo clipe lançado no dia primeiro de novembro desse ano. A música faz parte do projeto “Alcooústico 2”, um DVD gravado em São José do Rio Preto, cidade de origem da dupla. Alcooústico 2 conta com 15 canções inéditas além de mais duas participações: Matogrosso & Mathias com Igrejinha Azul e Pedro Paulo & Alex na divertida Alcoonteceu
    A canção é uma composição de Gabriel Vittor, Juliano Tchula e Léo Targino e fala sobre um casal que se deixou levar pela correria do dia a dia e da rotina digital.

    Segundo a biografia da dupla, eles se conheceram em 2010 e muitas pessoas do mercado sertanejo passaram a ouvir o diferente nome dos jovens cantores do interior de São Paulo, Fiduma e Jeca! Eles que coincidentemente nasceram no mesmo dia, mês e ano, em 29 de abril de 1992, se encontraram em Ilha Solteira / SP, na UNESP, faculdade onde cursavam Agronomia, foi lá que receberam os apelidos “Fiduma” e “Jeca”, dado à Pedro e Marcelo por veteranos da república em que moravam, a afinidade foi imediata e hoje quem não conhece sua história pode ter a certeza que são irmão de sangue. São os cantores de  “Anjo Chapadex”  que em pouco tempo alcançou grande popularidade e passou a ficar conhecida no Brasil inteiro.

    Vamos curtir juntos essa música fofa? Deixe nos comentários o que achou dela e o que acha de dar uma fugidinha da correria do dia a dia para curtir a “paz do interior”?

    Música: Paz Interior
    Artista/ Banda: Fiduma e Jeca com participação de Gustavo Mioto
    Álbum: Alcooústico 2
    Compositores:
    Gabriel Vittor, Juliano Tchula e Léo Targin
    Lançamento: 2019
    JosyAssinatura

     

  • Livro

    A Magia de Christian Luciano

    “Posso dizer que sou uma criança precoce, aos 4 anos de idade entre no pré primário, e aos cinco, por curiosidade, já sabia ler.”

    Sinopse: Christian Luciano é uma criança nascida em São Paulo, ativa e muito curiosa, mas que não tem nada em comum com as outras crianças. Pois através de seu esconderijo, o armário da cozinha, ele consegue enxergar e se transportar para um lugar intrigante, o maravilhoso reino mágico de Guisaro. Christian tem acesso a este mundo mágico por volta dos 2 anos e depois de algumas idas e vindas inexplicadas a este mundo, ele se depara com o Mago Afonso de Bisoncourt que se surpreende muito com uma visita tão ilustre e inesperada.

    Quem seria esse menino com poderes e permissão para visitar Guisaro? Teria ele haver com um certo herói Driegus que misteriosamente desapareceu depois de salvar Guisaro das mãos do terrível Mago do Ultra-Negativo? Mas contra todas as possibilidades, lá estava ele, Christian Luciano tão pequeno e tão poderoso, estaria ele preparado para as responsabilidades, aventuras e desafios que seus poderes estava prestes a lhe trazer?

    É com essas perguntas e em busca de respostas que o leitor entra nesta narrativa misteriosa e intrigante que liga nossa metrópole São Paulo ao mágico mundo de Guisaro.

    “Fechei os olhos enquanto o abraçava e lágrimas saiam dos meus olhos. De repente acordei, ainda sentindo a proteção de Mestre Afonso.”

    Visão da Blogueira: A premissa deste livro é realmente muito interessante e diferente de tudo o que já encontramos por aí. Devo confessar que no início ele é um pouco confuso, por se tratar de narrativa excessivamente descritiva, mas acredito que isso foi necessário para que o autor desse ao leitor a facilidade de se ambientar neste mundo novo chamado Guisaro.